23 de Enero de 2018
Ingresar>> usuario contraseña
Registrarse
Cerrar Ventana
Nova regulamentação pode inviabilizar a apicultura
Conheço ex-apicultores que deixaram a atividade por conta das exigências sanitárias. Claro que essa preocupação é importante, mas é preciso dosar as exigências com a capacidade de investimento dos produtores, porque, senão, ao invés de termos mel de ...
 

 
Globo Rural 06-03-2014 - Conheço ex-apicultores que deixaram a atividade por conta das exigências sanitárias. Claro que essa preocupação é importante, mas é preciso dosar as exigências com a capacidade de investimento dos produtores, porque, senão, ao invés de termos mel de qualidade exemplar, teremos falta do produto ou seremos obrigados a importar.

O setor de mel, formado pelos apicultores, agricultores familiares e empresas beneficiadoras e exportadoras de produtos apícolas, está preocupado com a sobrevivência de suas atividades, caso sejam aprovadas as mudanças no regulamento que disciplina vários produtos de origem animal. O RIISPOA (Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal), um decreto antigo de 1952, e que está em processo de revisão no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) prevê algumas exigências impossíveis de ser cumpridas nas condições atuais dos apicultores.

O principal problema é a obrigatoriedade de registro junto ao serviço de inspeção federal ou instância equivalente da unidade de extração de produtos das abelhas (Uepa), conhecida como casa de mel, que representa para o apicultor um custo de mais de R$ 60 mil. Pelas exigências, a planta da Uepa deve ter no mínimo quatro salas , recepção coberta, registros nos órgãos competentes e o projeto deve ser assinado por um engenheiro. Além disso, o apicultor terá de contratar um técnico responsável pela unidade e análises de controle, o que deverá custar cerca de R$ 2 mil por mês. É um custo elevado, dado que a Uepa é usada somente dois a três meses no ano, dado que a extração de mel é sazonal.

Hoje, o mel é extraído em uma sala e segue os padrões de segurança alimentar comprovados por análises microbianas e físico-química realizadas rotineiramente nos entrepostos e em laboratórios internacionais especializados.
“Estamos aflitos com essas exigências. Se a proposta for aprovada como está muitos apicultores desistirão da atividade ou irão para a clandestinidade”, afirma o presidente da Federação das Associações de Apicultores e Meliponicultores de Santa Catarina (FAASC), Nésio Fernandes de Medeiros. Dos 350 mil apicultores do país, 90% praticam a agricultura familiar e têm renda anual ao redor de R$ 6 mil.

De acordo com a nova versão do RIISPOA, os entrepostos, que compram o produto para vender no mercado nacional e internacional, só poderão receber mel extraído de Uepa registrada no Mapa ou instância equivalente. A Associação Brasileira dos Exportadores de Mel (Abemel) teme que os entrepostos não tenham produção suficiente de mel para comprar, o que comprometeria as exportações e oferta dos produtos das abelhas como mel e própolis e causaria prejuízos e paralisação às empresas que fizeram investimentos acreditando na expansão do setor.

“Se a legislação não for flexibilizada, o Brasil, que é o 10º maior produtor mundial de mel, corre o risco de descer para a 30º posição no ranking”, diz Nésio Medeiros, da FAASC. “Se a lei ajudasse teríamos condições de dobrar a produção, para 80 mil toneladas/ano, o que nos colocaria como segundo ou terceiro maior produtor mundial”, afirma.

Um amigo apicultor, de Cáceres, MT, processava o mel numa sala bem equipada nos fundos da sua casa, e eu fui seu freguês enquanto ele resistiu às investidas dos fiscais. O local era super limpo, bem cuidado, e o mel que ele produzia alimentou meus filhos durante toda a infância e adolescência. Até hoje eles lamentam não termos mais à mesa o "mel do Luciano".
 

190 Noticias clasificadas
lunes 4 de junio
Noticias
 

Urtubey no viajará a Davos por los despidos en el ingenio San Isidro
Consultar en: Crónica del NOA, Crónica del NOA, Agencia Fe, Noticias Iruya, El Submarino Jujuy, Qué Pasa Salta, El Cronista Comercial, El Cronista Comercial, Todo Salta, Qué Pasa Salta, Qué Pasa Salta, Noti Catamarca, LT 9, La Gaceta, Rosarinoticias, El Diario de la Pampa, Primera Fuente, Patagonia Nexo, El Tribuno Tucumán, El Intransigente, El Intransigente, Copenoa, FM 89.9, Ecos de mis Cerros, Diario Necochea, La Capital /, Patagonia Nexo, Qué Pasa Salta, El Tribuno, El Tribuno, Ambito Financiero, Mundo Gremial, Cadena 365, Clarín,

En dos años la exportación de carne vacuna creció un 57% y se mantuvo el consumo
Consultar en: Clarín, El Ancasti, BAE, El Tribuno Tucumán, La Razón -, Página 12, Punto Biz, Misiones On Line, La Voz de San Justo, Nea Rural, Iprofesional, Sitio Andino, APF Digital, Ambito Financiero,
Noticias
olivicultura
1
olivicultura
regionales
59
regionales
forestales
3
forestales
porcinos
1
porcinos
Noticias
Corrientes
5
Corrientes
Entre Ríos
11
Entre Ríos
Salta
20
Salta
La Rioja
3
La Rioja
Noticias
Tiempo Fueguino
1
Tiempo Fueguino
La Mañana Neuquén
1
La Mañana Neuquén
Cadena de Radios
1
Cadena de Radios
Jornada on Line
1
Jornada on Line
Noticias
Ignacio De la Rosa
(Los Andes)

1
Nicolás Razzetti
(Bichos de Campo)

1
Josefina Pagani
(La Nación)

1
Merino Soto
(BAE)

1
Noticias
Ultima edición (Actualiza los lunes)
Comentario Diario Precios de Cierre